Por Le Matin


Foto: Keystone | Jean-Christophe Bott

Ativistas protestaram em frente à sede da Vale em Saint-Prex (Vaud-Suíça). A multinacional opera a mina de Brumadinho, no Brasil, cuja barragem rompeu no dia 25.01.2019

Desde 2006, a mineradora brasileira tem sua sede no exterior na pequena cidade de Saint-Prex, no cantão de Vaud. Por um acordo com as autoridades locais, a Vale recebeu um desconto importante no pagamento de seus impostos, o que já foi alvo de intensos debates na Suíça. Por dez anos, ela ficou isenta de qualquer imposto cantonal e recebeu um desconto que chegou a 80% nos impostos federais. Isso, porém, teria terminado em 2015.

Os manifestantes desdobraram uma faixa com lama dizendo, ironicamente, “Thank you for choosing Switzerland” (obrigado por escolher a Suíça)

Solidariedade e indenizações

Essa ação simbólica teve como objetivo expressar sua solidariedade às vítimas do desastre socioambiental de Brumadinho. E pedir à Vale para “pagar indenização a todas as vítimas e parar de extrair ferro e armazenar lodo nessas condições”, disse Jean-Michel Dolivo, do Ensemble à esquerda.

A união internacional IndustriALL Global Union lamentou que a Vale não tenha aprendido com o passado. Um acidente semelhante ocorreu em novembro de 2015 na área. “Além disso, um relatório mostrou que essa barragem era perigosa. Vale sabia, mas não fez nada “, denunciou Valter Sanches, secretário geral do sindicato.

Em Saint-Prex, os manifestantes foram brevemente recebidos pela gerência. Segundo Françoise Pitteloud, do Coletivo contra a especulação sobre as matérias-primas, durante a entrevista, a empresa afirmou “reconhecer sua responsabilidade” no drama e se comprometeu a “pagar indenização”.