fbpx


Foto: Antônio Cruz | Agência Brasil

Em depoimentos, atingidos relatam problemas de saúde, intoxicação por metais pesados e denunciam atuação das mineradoras em fundação responsável pela reparação das vítimas

Neste 5 de fevereiro de 2019, o crime das mineradoras Vale, Samarco e BHP Billiton, na Bacia do Rio Doce, completa 3 anos e 3 meses de impunidade. O rompimento da barragem de rejeitos de Fundão não deixou apenas o rastro de destruição causado pelos mais de 50 milhões de metros cúbicos de rejeitos. Por todos os 600 quilômetros por onde a lama passou, atingidos das 39 cidades entre Minas Gerais e Espírito Santo relatam problemas de saúde causados pelo rompimento e também denunciam a atuação das mineradoras dentro da entidade responsável pela reparação das vítimas. No documentário, RENOVA: O crime é periódico o Movimento dos Atingidos por Barragens traz um panorama sobre as consequências dos rejeitos para a saúde dos moradores e a perpetuação do crime até os dias atuais.

Assista: “RENOVA: O crime é periódico”