fbpx

Por The Intercept


Foto: Yasuyoshi Chiba

Logo após o rompimento da barragem do Fundão, em Mariana, os prefeitos das 39 cidades atingidas se viram às voltas com questões práticas. Tarefas como garantir água potável, construir abrigos temporários para os desabrigados, limpar as ruas, reparar pontes e postes de luz levados pela avalanche de lama. Por alto, os gastos emergenciais foram calculados em R$ 53 milhões pela Samarco, junção das multimilionárias Vale e a BHP Billiton, que prometeu cobrir essas despesas tão logo fosse possível e depois descontar da futura indenização aos municípios. O deslizamento de 2015 deixou 19 mortos e espalhou rejeito de minério por 650 km de rios, até a foz do rio Doce.

Três anos depois, os prefeitos ainda estão atrás do dinheiro. Mas a estratégia da empresa mudou. Agora, a Fundação Renova, indicada pela Samarco para lidar com as indenizações de Mariana, propõe dar os valores da até então indenização emergencial pela assinatura de um documento em que as prefeituras se comprometem a abandonar qualquer ação em curso contra a Samarco e a não processar a empresa nem agora nem no futuro. Em troca: os municípios têm o dinheiro dos gastos emergenciais enfim depositado.

A pressão tem funcionado: até o fechamento desta reportagem, 19 dos 39 municípios atingidos pelo rompimento da barragem já tinham aceitado o acordo. A Renova tem abordado os prefeitos individualmente, sem a presença dos advogados dos municípios, tentando convencê-los das vantagens de assinar o documento.

“Eles chegam falando ‘não mexe com esse negócio de ação não, amanhã o dinheiro tá na conta, a sua cidade nem tanto dano teve…’”, conta Duarte Gonçalves Jr., do PPS, prefeito da cidade de Mariana que está à frente das negociações desde o início. Segundo ele, muitos prefeitos, sobretudo de cidades menores, com a economia ainda afetada pela contaminação do Rio Doce, têm aceitado o dinheiro da Renova a fim de colocar as contas em dia. Com os mandatos encerrando em dois anos, também não custa aumentar o caixa dos municípios em alguns milhões.

Matéria completa: Samarco oferece dinheiro para que prefeitos abram mão de indenização bilionária por Mariana