Os primeiros passos da caravana de Minas foram dados na terça à tarde. Depois do ato de abertura na segunda (5/4) e de uma manhã intensa de debates, o grupo partiu em direção ao bairro de São Geraldo, em Belo Horizonte. A comunidade alí convive há mais de 20 anos com uma linha de trem que corta a região para dar passagem aos vagões que escoam a produção da Vale para o porto do Espírito Santo.

São muitos os casos de mutilação no local. Além disso, a passagem do trem não tem horários fixos e a população não é avisada com antecedência. O incômodo sentido no interior das casas é grande. As aulas das escolas ao longo da linha do trem são interrompidas para a passagem da locomotiva. “É estrondo de trovão e tremedeira de terremoto”, disse uma moradora.

Quando o trem passou pela caravana, todos ficaram espantados com a total ausência de medidas de segurança para os moradores. Representantes da comunidade relataram acidentes e demonstraram descontentamento com a empresa.

(foto:Philippe Revelli)